quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

O ÍNICIO DE TUDO: A OCUPAÇÃO

A ocupação da Região Grande Méier começou quando Estácio de Sá doou aos jesuítas a extensa Sesmaria de Iguaçu. Esta Sesmaria englobava uma vasta extensão de terras que incluía os atuais bairros do Grande Méier e de outras Regiões, como Catumbi, Tijuca, Benfica e São Cristóvão. No entorno do atual bairro do Méier, os padres instalaram três engenhos de açúcar: Engenho Velho, Engenho Novo e São Cristóvão.Os jesuítas utilizavam grande número de escravos em seus empreendimentos, o que impulsionou a ocupação territorial e a expansão demográfica da área. A colonização teve início nos territórios do Engenho Velho e do Engenho Novo, estendendo-se posteriormente aos núcleos que se formavam no entorno dos templos construídos pelos religiosos, como a Igreja de São Francisco Xavier (1625).

O CRESCIMENTO

A construção, em 1720, da capela dedicada a São Miguel e N. Sa. da Conceição, no Engenho Novo, impulsionou o crescimento da área que ia do Engenho Novo e Benfica até o atual bairro Engenho de Dentro. Em 1759, quando o Marquês de Pombal expulsou os jesuítas, as terras passaram às mãos de Manuel Gomes, Manuel da Silva e Manuel Teixeira. Com o objetivo de explorar a madeira e, posteriormente, para o cultivo de frutas e hortaliças, os três devastaram as matas ainda existentes, formando os grandes espaços vazios que atraíram posseiros e foreiros e permitiram a ocupação do solo.

A DESCOBERTA DE OURO

Os escravos forros construíram barracos no Morro dos Pretos Forros, estendendo a ocupação ao entorno dos núcleos nascidos devido à influência religiosa. Mais tarde, a colonização foi acelerada com a descoberta de ouro nas proximidades da atual rua Frei Fabiano, adensando-se nas encostas do conhecido Morro do Vintém, assim chamado popularmente em função do pagamento, com poucos vinténs, pelo trabalho de escravos e homens livres pobres, no garimpo de ouro.

O NASCIMENTO DO SUBÚRBIO CARIOCA

Em 1783, foi criada a Freguesia de Nossa Senhora da Conceição do Engenho Novo. Pode-se dizer que os subúrbios cariocas nasceram no Engenho Novo, pois foi a partir daí que o progresso se acentuou. Dois outros bairros tiveram também grande importância para o crescimento da Região: Engenho de Dentro e São Francisco Xavier. Do século XVIII até o Segundo Império, a Região adensou-se gradativamente, tendo sido ocupada por chácaras e sítios. O comércio foi se desenvolvendo no entorno dos antigos engenhos, capelas foram implantadas e núcleos sub-urbanos surgiram com mais intensidade. Um desses locais de comércio, a Venda do Mateus, deu origem ao atual bairro do Lins de Vasconcelos, entre Engenho Novo e Engenho de Dentro.

AS MUDANÇAS URBANAS

A família Duque-Estrada Meyer teve um papel relevante no desenvolvimento da Região. Inicialmente, através da atuação do comendador Miguel João Meyer, português de origem alemã e um dos homens mais ricos da Cidade, no final do séc. XVIII. Posteriormente, já no Império, através das iniciativas de seu filho, o camarista Augusto Duque Estrada Meyer. Por suas funções e qualidades pessoais, o camarista tornou-se um nobre com grande influência junto ao Imperador Pedro II. Tendo herdado jóias do pai, estas lhe possibilitaram tornar-se grande proprietário de terras na Região. E sua visão progressista transformou a área, que perdeu o aspecto tipicamente suburbano do Segundo Império para assumir uma feição urbana.

A LINHA FÉRREA

Com seus extensos campos, a Região tornara-se importante para o crescimento da Cidade, no início por atender ao transporte coletivo - carruagens e bondes à tração animal - e mais tarde, por abastecer as tropas na Guerra do Paraguai. A partir da segunda metade do século XIX, quando começaram a circular os trens da Estrada de Ferro Pedro II, em 1858, os subúrbios foram definitivamente ocupados, ao longo da linha férrea e no entorno das estações. Ainda não havia estação no Méier, apenas uma parada na cancela em frente à Chácara do Bastos, conhecida como Perna de Pau por causa do canceleiro, que tinha apenas uma perna. Marco definitivo da expansão do Méier, a estação só foi criada em 1888, em terrenos doados pelos filhos do camarista, que morreu em 1882.A partir daí, as terras foram loteadas e as ruas pantanosas foram sendo saneadas. Os bairros surgiam agora com uma feição mais urbana: Lins, Engenho Novo, Engenho de Dentro e Piedade, entre outros. Os nomes muitas vezes eram homenagens a importantes proprietários de chácaras na Região.A Linha Auxiliar (E. F. Rio Douro) incrementou a ocupação em outro sentido e de forma mais irregular, permitindo o aparecimento dos atuais bairros do Cachambi, Maria da Graça e Del Castilho, os dois últimos integrados atualmente à vizinha Região Leopoldina.

A LIDERANÇA

Em 1903, com o desmembramento do Engenho Novo, acelera-se o desenvolvimento da Região. Liderando o processo estava o bairro do Méier. Ali se implantaram importantes e precursoras casas de negócios e magazines: a Casa Marques e a Casa Lopes, a Foto Quesada e as famosas e chiques confeitarias Moderna e Japão, que atraíam pessoas de toda a Cidade.

PROJETOS GRANDIOSOS

Três grandes projetos ajudaram a valorizar a Região: a construção da Basílica de N. Sa. das Dores, única em estilo mourisco da Cidade, projetada pelo arquiteto Morales de los Rios, no início do século XX; o prédio do Quartel do Corpo de Bombeiros, em 1914, e o Jardim do Méier, construído pelo prefeito Paulo de Frontin em 1919, com projeto de seu antecessor, Azevedo Sodré.

AS PERSONALIDADES HISTÓRICAS E CULTURAIS

A Região sempre foi berço de personalidades de destaque na cultura e história da Cidade e do País. Entre elas destacam-se os escritores Lima Barreto e Arthur Azevedo, o jornalista Dias da Cruz, os médicos Lins de Vasconcelos e Arquias Cordeiro, o ator e jornalista Eduardo Magalhães, o ministro General Dionísio Cerqueira (conhecido como Dignificador dos Subúrbios Cariocas) e a sambista Araci de Almeida. Foi ainda pioneira em tecnologia industrial em aço e papel fino, desenvolvida pelo industrial José T. de Carvalho, e teve também seu jornal local, o Subúrbio, impresso no começo do século XIX no bairro Sampaio.Entre 1937/45 a vida noturna tornou-se intensa e, na década de 1950, o bairro do Méier passou por grandes transformações, principalmente no eixo da rua Dias da Cruz. Durante muito tempo a galeria do Cine Imperator foi um dos pontos de grande movimentação cultural da Cidade. Em 1996, com as obras municipais do Rio-Cidade, a Região ganhou um novo impulso e vitalidade.

2 comentários:

  1. O nome da basílica está errado!! Trata-se da Basílica do Imaculado Coração de Maria fundada, construída e administrada até hoje pela Congregação Claretiana (De Santo Antônio Maria Claret). Congregação de origem hispânica, que influenciou o traçado arquitetônico Mourisco d contrução e que deixou suas impressões nos nomes das ruas deste bairro: Rua Padre Idelfonso Penalba e Rua Padre André Moreira!!

    ResponderExcluir